Logo do navegador Chrome, do Google — Foto: Reprodução

Logo do navegador Chrome, do Google — Foto: Reprodução

Google anunciou que a versão 86 do Chrome, programada para lançamento no fim de agosto, realizará um experimento com alguns usuários e esconderá o endereço completo (chamado de “URL”) das páginas, deixando apenas a parte principal (ou “domínio”) do endereço. O intuito é facilitar a identificação de páginas falsas

Em ataques de phishing, o golpista quase sempre precisa convencer a vítima a visitar uma página falsa localizada em um endereço diferente do que seria o correto. Essas páginas clonadas usam as partes menos importantes do endereço para incluir o nome da marca ou instituição financeira representada no golpe e confundir a vítima, evitando que o site falso seja identificado.

Por outro lado, os usuários não verão mais o link completo da página. Em um site como o G1, isso significa que a barra de endereço mostrará sempre “g1.globo.com”, mesmo ao visualizar uma notícia e não apenas a página principal.

Para ver o link completo, o usuário poderá passar o mouse sobre a barra de endereços. Também haverá uma opção para desativar o recurso e exibir sempre toda a URL, como é hoje.

 

Google Chrome vai esconder parte do endereço das páginas até que usuário coloque o mouse sobre a barra de endereços — Foto: Divulgação/Google.

Para justificar esse experimento, o Google citou um estudo segundo o qual 60% dos usuários confundem a legitimidade das páginas quando o nome da marca aparece nessas partes menos importantes do endereço, que serão ocultadas.

Os navegadores modernos já destacam a parte do domínio do site, normalmente com um contraste diferente na fonte. A eficácia da medida do Google também pode ser reduzida com o uso de endereços mais parecidos com o dos sites verdadeiros.

Caso o experimento seja bem-sucedido, é possível que a mudança apareça para todos os usuários em uma versão posterior do Chrome.

Páginas ‘rápidas’ e segurança inadequada

O Google também anunciou que o Chrome vai alertar o usuário quando a página visitada for considerada uma “página rápida”. O Google vai utilizar dados coletados pelo Core Web Vitals, um método que avalia a qualidade do site com base nas velocidades de carregamento e interação de páginas web.

A mudança vai aparecer no Chrome 85 Beta para Android. A navegação em smartphones sofre mais do que a navegação em desktops com páginas lentas, tendo em vista que a qualidade das conexões com a rede celular nem sempre são totalmente estáveis.

Outro alerta deve aparecer em formulários de páginas seguras (HTTP) cujo conteúdo preenchido será enviado a uma página sem segurança.

Esses dois indicativos visuais servem como incentivo para que os responsáveis pelas páginas web adotem práticas melhores na construção dos sites.

Fonte: G1